O professor do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Recursos Naturais e Desenvolvimento Local na Amazônia (PPGEDAM) e do Núcleo de Meio Ambiente da Universidade Federal do Pará (NUMA/UFPA), Dr. Gilberto de Miranda Rocha, apresentou na manhã de ontem, 16, sua defesa pública para a progressão na carreira docente, para a classe de professor Titular. Como requisito de avaliação, o pesquisador apresentou um memorial, analisando e descrevendo detalhadamente toda a carreira profissional. A banca avaliadora foi formada pelos professores Wanderley Messias da Costa, da Universidade de São Paulo (USP); Pierre Teisserenc, da Paris 13, da França; Iran Abreu Mendes, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN); e Tadeu Oliver Gonçalves, da UFPA, que presidiu a banca.

Leia mais...
Foto Jornal

A emancipação municipal é matéria regulamentada pelas constituições federais e conforme suas determinações estendidas às Constituições Estaduais. O Atlas Nacional do Brasil Milton Santos (2010) aponta que os maiores aumentos em valores absolutos do número de municípios criados ocorreram ao longo das décadas de 1950, 1960 e 1990. Observa-se um vínculo estreito entre as mudanças de natureza política e institucional no país e a intensidade da alteração no quadro municipal brasileiro. Novos municípios têm sido criados ao longo de toda a história do país, mas em ritmos variáveis. Por exemplo, se no período de restabelecimento da democracia, após a queda do regime autoritário do Estado Novo (1945), período de regime democrático foi rico em emancipações, não foi o caso do regime militar (1964-1985), quando poucos novos municípios foram criados.

Foto Jornal

O Brasil tornou-se celébre mundialmente com as experiências do orçamento participativo em algumas capitais do país como Porto Alegre e Belém, quando assistimos a um esgotamento dessas experiências não somente no Brasil e na América Latina, mas também em outros continentes, esquecemos que alternativas em termos de espaços públicos têm lugar em territórios rurais e urbanos, reconhecidos pelos poderes públicos nacionais como espaços destinados a experimentar novas formas de desenvolvimento baseadas nas exigências de conservação da biodiversidade e da sociodiversidade.