Disciplinas e atividades obrigatórias (30 créditos)

 

Bases Metodológicas para Pesquisa, Diagnóstico e Planejamento do Desenvolvimento Local (4 créditos, 60 horas)

Esta disciplina visa a oferecer ferramentas metodológicas para relacionar a teoria e a pesquisa empírica, enfatizando o instrumental das ciências sociais. Como elaborar projetos de pesquisa que permitam a produção de conhecimento e a intervenção na realidade. Distinção entre problema social e problema sociológico; pré-noções; objetivação. Técnicas qualitativas e quantitativas. Ênfase é dada à definição da problemática de investigação, à construção do objeto e à seleção de técnicas adequadas para a sua apreensão.

 

Gestão dos Recursos Naturais, Coletividades Locais e Desenvolvimento na Região Amazônica (4 créditos, 60 horas)

O objetivo da disciplina é discutir criticamente a inter-relação entre os conceitos de meio ambiente, sociedade e desenvolvimento e as formas de aplicação dos mesmos na perspectiva interdisciplinar. Apresenta-se como tem se dado a articulação e os processos de desenvolvimento na Amazônia e seus impactos nos recursos naturais. Enfatiza-se os rebatimentos da adoção dos conceitos de gestão dos recursos naturais e desenvolvimento local para a sociedade e meio ambiente dando ênfase nas alternativas de ordens técnica, social, econômica e política para subsidiar mudanças no território através do planejamento e gestão. Discute-se os significados de áreas especiais e unidades de conservação. Usa-se o conceito de coletividades territoriais para demonstrar as singularidades socioespaciais na Amazônia, além de problematizar o papel destas. Apresenta-se experiências locais de gestão dos recursos naturais regionais comunitários e seu impacto no modelo de desenvolvimento.

 

Política e Legislação Ambiental (4 créditos, 60 horas)

Análise histórica e teórica dos conceitos ligados à noção de desenvolvimento sustentável. Governança ambiental. Princípios e classificação do Direito Ambiental. Gestão integrada, patrimonial e pública dos recursos ambientais. Normas ambientais. Meio Ambiente natural e urbanístico. Modelos e instrumentos de gestão ambiental. Políticas nacionais de meio ambiente. Licenciamento ambiental. Unidades de conservação. Recursos Hídricos. Resíduos Sólidos. SISNAMA. CONAMA. Gestão Ambiental na Amazônia.

 

Seminários de Trabalho de Conclusão (3 créditos, 45 horas)

O escopo da atividade intera três níveis de abrangência  teórico, estratégico e aplicado –, acompanhando a evolução e desenvolvimento do tema de trabalho de conclusão. A estrutura curricular está montada no sentido de valorizar prioritariamente a capacidade de adquirir e dar aplicabilidade aos conhecimentos, tentando estreitar o tradicional gap entre teoria e prática.

 

Visita Técnica (1 crédito, 30 horas)

Ementa: Apresentar aos estudantes do PPGEDAM experiências de atividades econômicas e socioambientais relacionadas à gestão, uso e aproveitamento de recursos naturais na Amazônia.

 

Qualificação de Mestrado (2 créditos)

Desenvolvimento e submissão do projeto de pesquisa ao exame de qualificação de mestrado.

 

Dissertação de Mestrado (12 créditos)

Desenvolvimento e defesa do trabalho de conclusão do mestrado.

 

Submissão de artigo a periódico

Submissão de um artigo em coautoria com o orientador a um periódico dos extratos superiores (A1, A2 ou B1) da área Interdisciplinar.

 

Disciplinas optativas (10 créditos)

 

Apropriação e Uso dos Recursos Naturais na Fronteira da Amazônia (2 créditos, 30 horas)

1) Recursos naturais e o seu significado; 2) Fronteira na perspectiva histórico-teórica; 2.1) Movimento, funções e modelos de ocupação na Fronteira da Amazônia brasileira e paraense; 2.2) A Federalização Institucional da Amazônia; 3) Desenvolvimento Sustentável: passado, presente e futuro; 4) Instrumentos e Mecanismos de Gestão dos Recursos Naturais do Meio Ambiente; 4.1) Conflitos da luta pela terra e desmatamento na expansão da fronteira; 5) Estado, Capital e Meio Ambiente: uma relação conflituosa.

 

Aproveitamento de Água de Chuva na Amazônia (2 créditos, 30 horas)

Aproveitamento de água de chuva no mundo: formas e histórico; Ciclo da água; Tipos de chuvas; aproveitamento de água de chuva na Amazônia; tecnologias sociais de aproveitamento de água de chuva como estratégia de desenvolvimento local; potencial de aproveitamento de água de chuva; dimensionamento de sistemas de aproveitamento de água de chuva; políticas de aproveitamento de água de chuva.

 

Cartografia Social e Territórios (3 créditos, 45 horas)

Atualmente a utilização das chamadas geotecnologias é de fundamental importância para a gestão territorial, mais ainda no que tange ao monitoramento, fiscalização e ordenamento territorial. Esta disciplina procura contribuir para a capacitação dos participantes que estejam atuando ou queiram atuar no processo de gestão territorial na região amazônica, tendo como principal subsidio na tomada de decisões a utilização de mapas.

 

Ciência da Legislação e Construção de Instrumentos Jurídico-Normativos (2 créditos, 30 horas)

Federalismo brasileiro e competência de legislar dos entes federativos. Noções de Processo Legislativo. Lei Ordinária. Lei Complementar. Medida Provisória. Decreto. Resoluções. Hierarquia das espécies normativas. Introdução à Legística. Legística Formal. Legística Material. Técnicas de redação legislativa. Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro. Lei Complementar Federal no 95, de 26 de fevereiro de 1998. Decreto Federal no 4.176, de 28 de março de 2002. Estruturação, articulação, redação e alteração das leis. Projeto de lei e justificação. Ferramentas de busca de leis e atos normativos.

 

Conhecimento Tradicional e Transformações Socioambientais (2 créditos, 30 horas)

Discute-se a relação construída entre populações tradicionais e o meio ambiente. Busca-se debater as características das comunidades rurais e tradicionais em meio a modernidade, dando ênfase a tradição que as caracteriza. Discuti-se a importância dos conhecimentos tradicionais enquanto uma das formas de produção de conhecimento. Analisa-se como os hábitos e costumes na relação com o meio ambiente propiciam as comunidades rurais desenvolvem atividades produtivas pautadas por saberes tradicionalmente herdados e metamorfoseados com a modernidade. Examina-se como as transformações socioambientais influenciam na tradição das populações tradicionais na Amazônia. A disciplina prevê uma visita técnica a uma comunidade tradicional.

 

Elementos Ambientais no Planejamento Territorial (2 créditos, 30 horas)

A disciplina objetiva a identificação, caracterização e analise integrada do papel desenvolvido por elementos ambientais tais como clima, geologia, solos, relevo, cobertura vegetal, entre outros, no planejamento do território amazônico nas diversas escalas, e sua relação com os processos de desenvolvimento.

 

Estatística Aplicada (2 créditos, 30 horas)

Esta disciplina busca instrumentalizar os alunos que trabalharão com métodos quantitativos de pesquisa. Apresentam-se os métodos estatísticos (definição), particularmente da estatística básica (definição, medidas de tendência central e dispersão). Trabalha-se com definição, tipos, erros e testes amostrais. Apresenta-se possibilidades de organização e apresentação de dados. Trabalha-se, também, métodos de correlação e regressão. Faz-se aplicações do instrumental apresentado a partir de exercícios práticos.

 

Estratégia de Identificação de Mercados e Oportunidades de Comercialização (2 créditos, 30 horas)

Ementa: Análise histórica da evolução dos processos de inovação, difusão e transferência de tecnologia com ênfase ao setor agropecuário (extensão rural). Discussão sobre as diferentes escolas de pensamento que se preocupam com a temática. Funcionamento da interface entre agricultores familiares e organizações (governamentais e não governamentais) de pesquisa e extensão e sua relação com o desenvolvimento na Amazônia. Discute-se os problemas e as diferentes metodologias e instrumentos propostos para facilitar o desenvolvimento e a transferência de tecnologias. Debate-se o papel do agente ambiental e de desenvolvimento nesta interface. Analisa-se: as organizações de agricultores na Amazônia e seu papel na transformação técnica da Agricultura familiar; a questão da profissionalização destas organizações e da agricultura familiar amazônica; o papel dos saberes técnicos locais e do saber cientifico na concepção e implementação de inovações tecnológicas e, mais amplamente na transformação técnica da agricultura familiar na Amazônia.

 

Estruturas de Arranjos Produtivos Locais (2 créditos, 30 horas)

Ementa: Esta disciplina discute o que são arranjos produtivos locais, suas características, perspectivas conceituais e sua relação com a gestão dos recursos naturais. Discute-se metodologias, formas e instrumentos de intervenção que possam contribuir para a formatação de políticas voltadas para o desenvolvimento regional e local baseado em arranjos produtivos locais. Apresentação e discussão de estudos de caso e de experiências concretas em aglomerações produtivas e/ou arranjos produtivos locais.

 

Etnofarmácia - Natureza, Saúde e Cidadania na Amazônia (2 créditos, 30 horas)

Ementa: Esta disciplina discute a uso e aproveitamento de recursos florestais para o desenvolvimento de produtos farmacêuticos a partir do conhecimento tradicional das populações locais, em especial da Amazônia brasileira. Ao tempo discute-se as metodologias e aplicações dos fitoterápicos realizados pelas populações tradicionais. Esta disciplina tem interface com a disciplina que trata dos saberes locais das populações tradicionais.

 

Grandes Projetos na Amazônia e Impactos Socioambientais (4 créditos, 60 horas)

Esta disciplina tem por objetivo analisar o quadro atual dos empreendimentos voltados para a exploração dos bens naturais da Amazônia e os diversos impactos socioambientais que estes projetos causam. Será utilizado como estudo de caso, o do Programa Aceleração de Crescimento, a implantação do Programa de Óleo de Palma (dendê) no estado do Pará, identificando as contradições entre a gestão pública nos diferentes níveis de governo e os conflitos presentes na relação com a sociedade local.

 

Indicadores Ambientais e de Desenvolvimento Sustentável (2 créditos, 30 horas)

Esta disciplina faz uma descrição retrospectiva do debate científico sobre a necessidade de desenvolvimento de novos indicadores ambientais e de sustentabilidade que sejam capazes de avaliar simultaneamente resiliência ecossistêmica, qualidade de vida e desempenho econômico. A disciplina busca as aproximações metodológicas interdisciplinares com disciplinas das ciências naturais e humanas.

 

Instrumentos de Gestão Ambiental (ZEE/EIA/RIMA) (2 créditos, 30 horas)

Ementa: A disciplina discute os conceitos de meio ambiente e impacto ambiental. Realiza uma discussão histórica do desenvolvimento dos estudos de impacto ambiental no mundo e no Brasil, tomando como referência as organizações nacionais e internacionais e a legislação. Discute a sistemática de estudos de impacto ambiental, termo de referência, procedimentos alternativos, custo e qualidade dos estudos de impacto ambiental. Apresenta e discute as metodologias para avaliação de impacto ambiental e socioeconômico, matrizes e cheklist, métodos monetários, métodos não monetários. Reflete sobre a participação pública e comunicação, agentes sociais audiências, mediação. Apresenta estudos de impacto ambiental na Amazônia e a política  e práticas de ordenamento territorial, e zoneamento ecológico–econômico como instrumentos técnico e político de gestão ambiental. Apresenta as experiências e desafios do zoneamento ecológico- econômico na Amazônia.

 

Intervenção Local e Projetos de Desenvolvimento Rural (2 créditos, 30 horas)

Ementa: Princípios de pertencimento dos grupos locais e a institucionalidade da vida coletiva. Antropologia dos dispositivos de apoio ao desenvolvimento. Como descrever a intervenção pública no espaço rural. Intervenção pública e sistema de atores. Os projetos e políticas de desenvolvimento como arena. A intervenção local como processo permanente de construção de sentido: mediação e referencial da ação pública. Intermediação, institucionalização e legitimação: entre construção de autonomia e reprodução das relações tradicionais de dominação. A intervenção local e a dimensão humana nos projetos de desenvolvimento: variáveis sociológicas e culturais. Participação, saber e organização social local. Saberes locais e a produção de interface social entre as populações locais e os diferentes tipos de instituições de pesquisa e de desenvolvimento: descontinuidades e intermediações. A ação pública como processo de interação entre ação governamental e ação coletiva e o papel de agentes mediadores. A ação pública como ser diacrônico.

 

Introdução ao Sensoriamento Remoto Aplicado à Região Amazônica (2 créditos, 30 horas)

Ementa: Esta disciplina tem um caráter aplicado. Objetiva Introduzir a diversas práticas de sensoriamento remoto, com foco nos instrumentos do A-Train/NASA e Landsat7 para subsidiar os alunos que precisam de análise de imagens. Discute-se os tipos de satélites, órbitas e instrumentos e os diversos produtos disponíveis ao público. Orienta-se para uso dos métodos de busca de dados e manipulação dos mesmos levando em consideração a forma de obtenção direta de imagens, programas de visualização de dados e os próprios programas de manipulação de dados existentes e de fácil acesso ao público em geral. A disciplina apresenta exemplos de problemas para estudo de casos, em particular considerando variação de chuvas, mudança de cobertura vegetal, nuvens e outros problemas de interesse.

 

Manejo e Conservação dos Recursos Naturais (2 créditos, 30 horas)

Ementa: Proporcionar conhecimentos teóricos e práticos sobre o gerenciamento e manejo e interações bióticas e abióticas dos recursos naturais em áreas florestais e não-florestais visando à conservação e a sustentabilidade.

 

Mercado Mundial, Desenvolvimento Desigual e Futuro da Amazônia no Século XXI (2 créditos, 30 horas)

Ementa: A disciplina objetiva discutir a lógica de globalização econômica e seu impacto nas sociedades em desenvolvimento realizando um recorte específico para América Latina, Brasil e Amazônia. Debate-se as consequências do processo de globalização que provocam um desenvolvimento desigual entre as sociedades. Sob a perspectiva do ideário de desenvolvimento sustentável, discute-se alternativas de desenvolvimento da Amazônia e sua relação com o mercado mundial. Reflete-se sobre as dificuldades de gestão dos recursos naturais sob os atuais modelos de produção e consumo e direciona-se para análises das alternativas de desenvolvimento que emergem, dentre as quais a economia solidária, o cooperativismo e a gestão social.

 

Mudanças Climáticas Globais e Amazônia (2 créditos, 30 horas)

Ementa: A disciplina tem como objetivo identificar, analisar e discutir a temática das mudanças climáticas e globais na Amazônia, suas causas, as vulnerabilidades existentes, os impactos e as potenciais medidas de resposta mitigativas e adaptativas. Pretende-se ao fim do curso que o aluno tenha possibilidades de relacionar seu trabalho de pesquisa com os cenários de mudanças e desenvolvimento na região.

 

Municípios e a Gestão dos Recursos Naturais (2 créditos, 30 horas)

Esta disciplina objetiva discutir o município como ente federativo e o papel assumido após a descentralização político-administrativa. Discute-se a gestão municipal no contexto do fortalecimento do SISNAMA, problematizando a descentralização ambiental e Gestão de Recursos Naturais - GRN. Busca-se dar ênfase na diversidade e singularidade dos lugares na Amazônia em face dos territórios e dos recursos naturais locais. Apresenta-se o desenvolvimento local sustentável, a partir do saneamento e gestão de resíduos sólidos, os planos de gestão ambiental, de desenvolvimento urbano e rural.

 

O Território da Ação Local, Seus Atores e Governança (2 créditos, 30 horas)

Ementa: Este curso tem por objetivos fornecer aos estudantes os conceitos, o quadro teórico e os métodos que permitem apreender os desafios políticos do desenvolvimento sustentável a partir de um território. Trata-se não somente de definir o que é o território da ação local enquanto ação pública operacionalizada em parceria, mas também de identificar quem são os atores e como abordar suas condutas e suas estratégias quando levados a cooperar para em conjunto produzir ações coletivas. Trata-se, além disso, de fornecer aos estudantes os conceitos que lhes permitam caracterizar essas ações na medida em que elas contribuem para políticas territoriais de desenvolvimento, de identificar algumas das condições que possibilitam dinâmicas de território em função, notadamente, do compromisso individual e coletivo dos atores. Importa, nesse sentido, considerar também a maneira como essas ações são conduzidas a partir de uma análise das instituições locais mas também dos sistemas de açor que estão na origem de governanças próprias a cada território. Nessa perspectiva a análise do poder local e de suas instituições se impõe, assim como a da governança territorial, para compreender como funciona um território em desenvolvimento. Enfim, trata-se também de situar o profissional do desenvolvimento não somente do ponto de vista de suas competências mas também do ponto de vista de sua posição em relação ao movimento social, em relação a diferentes formas de expertises técnicas e em relação à decisão política.

 

Políticas Publicas Ambientais e Agriculturas Familiares (2 créditos, 30 horas)

Política ambiental e Política agrária: as visões da economia ambiental e da economia agrária. Demandas econômicas e socioambientais. Os instrumentos de política ambiental e das agriculturas familiares. A política ambiental e agrária no Brasil: histórico, estratégias, experiências dos setores públicos e privados nos diversos âmbitos (nacional, estadual, regional, local).

 

Políticas Públicas em Educação Ambiental (2 créditos, 30 horas)

Ementa: Os problemas ambientais globais e suas implicações, fundamentos históricos e dimensões da educação ambiental, subsídios para o desenvolvimento da educação ambiental e qualidade de vida, planejamento e elaboração de programas de educação ambiental.

 

Recursos Hídricos e Sustentabilidade (4 créditos, 60 horas)

Ciclo das águas; Uso e aproveitamento dos recursos hídricos no mundo atual; uso e aproveitamento dos recursos hídricos na Amazônia; ecologia política dos recursos hídricos: a tragédia dos comuns; Desenvolvimento sustentável: evolução histórica; A sustentabilidade dos recursos hídricos segundo a teoria de sistemas; indicadores de sustentabilidade dos recursos hídricos.

 

Saneamento Ambiental (Tópicos em Saneamento Ambiental) (2 créditos, 30 horas)

Ementa: A disciplina objetiva apresentar um panorama do saneamento no Brasil e no mundo. Discute-se a poluição e os recursos hídricos dando especial ênfase para Amazônia. No contexto da disciplina, debate-se os padrões de qualidade da água, os sistemas de água. sistemas de esgotos, drenagem urbana e os resíduos sólidos.

 

Sistemas de Informação Geográfica Aplicada à Gestão Ambiental (2 créditos, 30 horas)

Atualmente a utilização das chamadas geotecnologias é de fundamental importância para a gestão territorial, mais ainda no que tange ao monitoramento, fiscalização e ordenamento territorial. Esta disciplina procura contribuir para a capacitação dos participantes que estejam atuando ou queiram atuar no processo de gestão territorial na região amazônica, tendo como principal subsidio na tomada de decisões a utilização de mapas.