Título: Tecnologia ambiental e gestão de recursos naturais: O 'voo' tecnológico da fiscalização mineral do Pará

Aluno: Inaldo de Sousa Sampaio Filho

Data/hora: 18/11/2015, às 15h

Local: NUMA/UFPA, sala Jutuba

Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e atualmente concluinte do mestrado em Gestão dos Recursos Naturais e Desenvolvimento Local, pelo Núcleo de Meio Ambiente (NUMA/UFPA), Fidelis Paixão será empossado no dia 11 de novembro como membro conselheiro no Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA). A posse acontecerá durante a 120ª Reunião Ordinária do CONAMA, em Brasília, e contará com a presença da ministra do governo Isabella Teixeira e demais membros do Conselho.

Foto Jornal

A humanidade assistirá a mais uma Conferência sobre Mudanças Climáticas e discussões sobre a redução de CO2. O debate iniciou-se em 1971, devido aos impactos socioeconômicos causados por enchentes, secas e ciclones. O principal documento em debate é o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), que seleciona dados científicos existentes, de acordo com critérios próprios, para fornecer argumentos sobre a influência da atividade humana sobre as mudanças climáticas.

Título: Áreas Verdes Urbanas: Uma Alternativa para a Melhoria da Qualidade Ambiental da Cidade de Bragança

Aluno: Roberto Senna Rodrigues

Data/hora: 10/11/2015, às 15h

Local: NUMA/UFPA, sala Paquetá

O grupo de pesquisa Aproveitamento da Água da Chuva, Saneamento e Meio Ambiente na Amazônia (GPAC- Amazônia/UFPA), liderado pelo professor Dr. Ronaldo Mendes, foi escolhido para participar de uma mostra no III Fórum Paraense de Tecnologias Sociais. Participam do GPAC Amazônia docentes do Núcleo de Meio Ambiente (NUMA), Instituto de Tecnologia (ITEC) e Instituto de Ciências da Educação (ICED), pertencentes à Universidade Federal do Pará (UFPA).

Foto Jornal

Com o avanço das técnicas de geoprocessamento, sensoriamento remoto, posicionamento global, entre outros (as chamadas geotecnologias), ocorreu a sistematização de informações com maior precisão sobre a superfície terrestre, com a disponibilização de dados de posicionamento, área, distância, altitude e a forma/configuração de um determinado local, objeto ou fenômeno (edifícios, ruas, praças, corpos d’água, etc.). Essas mesmas geotecnologias contribuem para o ordenamento territorial, o uso e a ocupação do solo urbano municipal, além de serem opções promissoras para a construção de mecanismos que facilitemo planejamento municipal, com ênfase nos sistemas de cadastros municipais, com informações sobre a malha urbana, infraestrutura, dados sociais, áreas verdes, etc.